Categorias
4 Hábitos

Recursos Humanos e Sustentabilidade: será que dá match?

Ao ser convidada para escrever este artigo, logo me veio a pergunta: De que forma o RH contribui para um mindset sustentável? 

Várias respostas surgiram na minha mente: cultura organizacional, responsabilidade social e ambiental, diversidade, inovação, estratégia… será que tudo isso se conecta? 

A área de Recursos Humanos ou de Gestão e Pessoas, como gosto de falar, é a responsável por orientar e disseminar a cultura organizacional conforme valores da empresa. Propor reflexões sobre temas da atualidade ou discutir e pesquisar tendências, faz parte de uma atuação estratégica da área de Gestão e Pessoas e tem muito a contribuir, sim, para uma mudança de mindset buscando conectar, integrar, orientar e desenvolver pessoas. 

Quando falamos em sustentabilidade precisamos ampliar as dimensões de alcance do seu significado que vai além da ambiental e econômica.

 Entendo que a sustentabilidade está intimamente relacionada com a questão social, pois quando criamos um ambiente de trabalho favorável e incentivamos a conscientização de agir de forma ética, conseguimos disseminar esse comportamento também para a família do colaborador, para a comunidade onde ele vive e para o mundo que o cerca.

 O que não é diferente, quando falamos da dimensão da diversidade, incentivando o respeito a crenças e valores individuais, reforçando a importância da ação de cada um para o bem estar do todo.

 E por que não citarmos a dimensão da inovação? Exercitar um novo olhar! Inovar é também repensar nossas atitudes, sermos protagonistas em uma nova jornada! 

Todas essas dimensões consolidadas em um planejamento reforça a estratégia do Gestão e Pessoas para a sustentabilidade do negócio. Assim como, monitorar os indicadores de ecoeficiência reforçando o branding, atrair e reter talentos, promover o employee experience, reduzindo riscos operacionais e diminuindo custos financeiros.

 Trazendo a teoria para a prática, podemos exemplificar iniciativas como:

 • Diminuir trânsito de papéis no ambiente corporativo, ação viável que demanda a reestruturação dos processos da empresa aliada a ferramentas da tecnologia, disponibilizando de forma ágil as informações para tomadas de decisão, sem a impressão desnecessária de documentos.

 • Instituir programas sociais proporcionando qualidade de vida para a comunidade, como a criação de uma horta cultivada na própria empresa a partir da compostagem dos resíduos orgânicos gerados por ela; programas de promoção à saúde como o uso da bicicleta como meio de transporte ou organizar um grupo de corrida com colaboradores da empresa, por exemplo.

 • Capacitar e conscientizar as equipes com relação ao descarte correto do lixo, principalmente, os colaboradores que atuam na linha de frente dessa coleta

. • Estimular o voluntariado para que sejam compartilhadas experiências e desenvolvimento de mais conexões (estimulando a atitude).

 • Criar Políticas que fortaleçam a estratégia como a contratação de pessoas que moram em regiões próximas às unidades de operação da empresa. Com a pandemia, muitas organizações estão reavaliando suas estruturas para um sistema híbrido, presencial

 + home office, possibilitando reduzir o impacto da superlotação no sistema de transporte, reduzir custos operacionais, melhorar a qualidade de vida no trabalho, aumentar performance e, consequentemente, trazer mais engajamento.

 Não há mais como deixar de lado a questão da sustentabilidade e o seu vínculo ao negócio e o Gestão e Pessoas (ou o RH) deverá ser o agente que fomentará a mudança de mindset em toda a organização.

Tatiana Duarte é Gerente de Gestão e Pessoas na Diretoria de Shoppings do Grupo PaulOOctavio

1 resposta em “Recursos Humanos e Sustentabilidade: será que dá match?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *